Trio Inseparável: Alimentação, Exercício e Sexualidade
Trio Inseparável: Alimentação, Exercício e Sexualidade
Trio Inseparável: Alimentação, Exercício e Sexualidade
Trio Inseparável: Alimentação, Exercício e Sexualidade
Trio Inseparável: Alimentação, Exercício e Sexualidade

Trio Inseparável: Alimentação, Exercício e Sexualidade

Trio Inseparável: Alimentação, Exercício e Sexualidade

No passado, o termo saúde significava ausência de doença, portanto qualquer pessoa que não apresentasse sinais de doença ou enfermidade era considerada sã, mas com o passar dos anos,  este conceito tem vindo a evoluir. Mais recentemente, a Organização Mundial da Saúde, define saúde com sendo um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença.

O bem-estar pode ser considerado um tipo de medicina preventiva associada ao estilo de vida de cada um, podendo assim contemplar programas para encorajar a melhoria da condição física, prevenção e a detecção precoce de doenças, o que ajuda a reduzir a médio prazo a utilização e os gastos em cuidados de saúde. Este processo implica uma tomada de consciência e alteração de hábitos e atitudes com vista a implementar estilos de vida saudáveis para atingir uma óptima saúde física e mental.

O «wellness» é um conceito que engloba todos os aspectos do indivíduo, como uma boa nutrição, prática regular de exercício físico, controlo do stress, boas relações familiares e sociais, bem como a satisfação sexual. O direito ao prazer sexual deve ser universalmente reconhecido e promovido.

Em 1961, o médico Halbert L Dunn afirmou “Um estilo de vida em busca de elevados níveis de bem-estar físico e psicológico, é um comprometimento para a mestria pessoal, uma filosofia multidimensional.”.

Para usufruir de uma vida sexual saudável, é importante cuidar de forma equilibrada tanto do corpo como da mente. A alimentação que praticamos interfere diretamente no funcionamento corporal, mais concretamente na função sexual, logo é evidente a relação entre a alimentação e o desempenho sexual. Perante uma diminuição do desejo sexual, o primeiro passo é procurar um médico. Algumas doenças como a diabetes, hipertensão arterial, obesidade e endometriose, além de fatores como stress, ansiedade, baixa autoestima e insegurança interferem na libido. Porém, caso não haja nenhuma patologia associada, vale a pena investigar possíveis desequilíbrios nutricionais.

Há uma tradição milenar que relaciona determinados alimentos com o desejo sexual: são os chamados alimentos afrodisíacos. A palavra “afrodisíaco” tem origem em Afrodite, a deusa grega do amor, da beleza e detentora de um forte poder sedutor. Desde então, muitas pessoas começaram a usar alimentos, bebidas e até alguns medicamentos como afrodisíacos ou estimulantes sexuais.

Apesar de sabermos que cientificamente os alimentos considerados afrodisiacos não propiciarem uma mudança instantânea, eles podem psicológicamente deixar-nos mais estimulados e predispostos para o sexo. 

Para ter um bom desempenho sexual, precisamos cuidar dos sistemas que compõe o nosso corpo e para tal é imprescindível adotar uma alimentação adequada e equilibrada que ajude a manter a harmonia corporal. O sistema cardiorespiratório, endócrino, nervoso e imunitário, são especialmente importantes para manter uma boa função sexual. Com uma alimentação adequada, é possível consumir todos os nutrientes importantes não só para um bom desempenho sexual mas para uma vida saudável em todos os aspectos, o que influenciará positivamente para a boa saúde da sua libido. No entanto, o fato de comermos determinados alimentos não vai nos transformar em super-homens ou em super-mulheres.

Uma pessoa com uma vida sexual muito activa necessita praticar uma alimentação equilibrada, no entanto, é preciso lembrar que o sexo pode ser considerado um exercício. Assim, se for praticado com muita frequência e  intensidade, exigirá do praticante um maior suporte alimentar, como qualquer outra pessoa que pratique frequentemente exercícios mais vigorosos.

É possível aumentar o apetite sexual com alimentos específicos?

Na tabela seguinte apresento 6 alimentos considerados afrodisíacos que devem constar na sua lista de compras. 

Os alimentos afrodisíacos podem auxiliar a estimular a libido e o apetite sexual, pois podem exercer diversas ações no metabolismo: aumentam a circulação sanguínea, atuam diretamente no sistema nervoso central. Além de aumentarem a produção de hormonas sexuais, estimulam sensações de prazer, favorecendo a lubrificação vaginal e o prolongamento da ereção.

Uma comida saudável preparada com especiarias ou um prato equilibrado e apetitoso gera um estado de euforia, capaz de conduzir ou aumentar o desejo sexual.  Algumas especiarias podem ser usadas para estimular o apetite sexual por produzirem odores estimulantes e ainda são vantajosas pelo facto de conferirem sabor aos alimentos e não serem calóricas. Uma refeição saborosa e saudável, preparada com especiarias pode estimular a paixão. 

A prática de uma alimentação pobre e desiquilibrada pode gerar uma baixa produção de alguns neurotransmissores relacionados com o prazer e bem-estar, sendo que estas  alterações químicas cerebrais podem prejudicar o desempenho sexual bem como a fertilidade.

Muitas pessoas não imaginam que o stress do dia-a-dia, o uso de anticoncepcionais e alguns antidepressivos podem diminuir a produção de serotonina. O triptofano é um aminoácido precursor da serotonina, e pode ser encontrado em diversos alimentos como a banana, quinoa, arroz integral, soja, feijão, lentilha, ervilha, castanhas, nozes, morango, laranja, tâmara, chocolate negro e ovos. Portanto, é recomendável que estes alimentos façam parte da alimentação do dia-a-dia.

É também importante lembrar que a conversão do triptofano em serotonina depende de alguns nutrientes como a vitamina B6, B12, ácido fólico e magnésio. Para obter bons níveis de serotonina é fundamental Incluir na sua alimentação os alimentos que forneçam estes nutrientes.

Outro neurotransmissor relacionado com a libido é a noradrenalina, produzida a partir de dopamina - relacionada ao prazer. A sua carência está relacionada diretamente à diminuição do desejo sexual. O aminoácido tirosina é responsável pela produção de dopamina, e, para estimulá-la, devemos consumir alimentos fontes da tirosina.

O zinco também é de grande importância, por promover a modulação dos níveis de testosterona e a produção de espermatozoides. O seu déficit leva a problemas na ovulação e diminuição do desejo sexual em mulheres, nos homens pode mesmo levar à impotência sexual.

A vitamina E, também participa na produção de hormonas sexuais, estando relacionada ao aumento da libido e do apetite sexual.

Corrida: Uma pesquisa feita pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, demonstrou que em homens com idades superiores a 50 anos que correm pelo menos três horas por semana têm um risco de impotência 30% menor. A prática regular de exercício e atividade física pode trazer vários benefícios ao corpo e à mente.

Uma boa condição física é essencial para a manutenção da autoconfiança e da autoestima, além de apurar os sentidos. Se vivida satisfatoriamente, a sexualidade é fonte de equilíbrio e harmonia para a pessoa, favorecendo uma atitude positiva em relação a si e aos outros. A actividade sexual envolve todo o organismo, pelo que é importante manter os músculos, articulações, artérias e nervos a funcionarem. O exercício aeróbico melhora o fluxo sanguíneo, que é um elemento chave na resposta sexual.

Recomenda-se actividades aeróbicas como correr, nadar ou andar de bicicleta. As endorfinas libertadas durante o exercício estão relacionadas com a produção da testosterona. Exercícios de fortalecimento muscular, como o levantamento de pesos e exercícios de resistência muscular, também podem ter um efeito positivo no apetite sexual.

Musculação: além das vantagens estéticas, confere um abdómen forte e tonifica a área perianal (vagina, pênis, ânus e períneo) bem como as coxas e os glúteos.

Pilates: os movimentos do pilates mexem com áreas extremamente exigidas no ato sexual. Resulta na fortificação do abdómen, musculatura da área pélvica tonificada e quadril flexível, o que facilita os movimentos e posições nos momentos íntimos.

Dança do ventre: tem como principal movimento a ondulação do abdómen e de toda a área pélvica, tonificando-as, resultando num corpo mais feminino e flexível.

Lembre-se que, para uma vida sexual ativa e saudável é necessário conciliar a prática de exercício físico com uma alimentação equilibrada que evite o açúcar, gorduras saturadas, álcool, constituida por hidratos de carbono complexos e por  proteínas magras.

Não esquecer de fazer uma boa ingestão diária de água, frutas e vegetais. Recomenda-se no mínimo cinco refeições diárias, pois o jejum prolongado leva à hipotensão, hipoglicemia, fadiga e desânimo.

O poder afrodisíaco dos alimentos também está na combinação de cores e aromas, com alguma imaginação e criatividade, o resultado com certeza é garantido.

Bruno Pereira
Nutricionista da Unidade de Medicina Desportiva e Controlo de Treino – Centro de Alto Rendimento do Jamor, Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ)